quinta-feira, 7 de maio de 2009

ECTOPARASITAS - III


Continuação ...


"ÁCARO DOS SACOS AÉREOS.



Este ácaro se instala nos sacos aéreos, traquéia, e narinas, se fixando na parede e formando nódulos de inflamação. No exame clínico e na necrópsia verificamos pequenos pontos negros nestas áreas. Já foram encontrados debaixo da pele, formando granulações. Induzem a infecções respiratórias secundárias sérias ou mesmo asfixia por infestação. Os ácaros de vias respiratória encontrados são: Sternostoma tracheacolum, mais comum, além dos, Cytodites nudus, Psittanyssua sp e Ameroseius sp. Existem pelo menos 38 espécies de ácaros isolados destas vias.


As aves pigarreiam, enrolam a língua como estivessem com algo na garganta, fazem um ruído bem característico de 'crirrc, crirrc', apresentam dificuldades respiratórias e até mesmo asma. As aves podem morrer asfixiadas ou por problemas de infecções secundária severas. Aves canoras podem apresentar falhas no canto progressivo, rouquidão e perda da voz, mesmo tentando emitir sons. As aves esfregam o bico no poleiro desesperadamente, podendo até machucar as laterais e causar feridas infecciosas.


O tratamento mais eficaz é aquele feito com Ivermectina injetável ou oral. Repetindo-se de 15 em 15 dias. Alguns casos com infecções respiratórias secundárias devem ser tratadas para o quadro respiratório bacteriano ou por mycoplasma. (grifo nosso).



SARNA.


A sarna das aves é o Knemidokoptes jamaicensis em canários e aves silvestres, e o Knemidokoptes pilae nos piriquitos. Nos canários e curiós costuma aparecer nas patas, causando a formação de crostas, pseudodedos, escamas que soltam muito tecido. Nos periquitos a sarna se apresenta na comissura bucal, na carúncula, no bico, na pele da cabeça, provocando escoriações, hiperplasia da pele e crescimento anormal do bico, dificultando até mesmo a apreensão dos alimentos.


No início do processo é difícil observarmos as lesões, mas no decorrer da evolução da doença, vão surgindo as escamas e crostas. Ao raspado de pele é muito fácil observar os ácaros.


No ciclo evolutivo deste ácaro ocorre penetração da epiderme através do folículo da pena, com a formação de galerias. A pele desta região reage proliferando sua células, que se descamam pela grande quantidade de querantin que possuem na superfície. As fêmeas alojadas neste local botam ovos, que evoluem para larva, ninfa e adulto. A transmissão ocorre ainda no ninho, embora se manifeste apenas nos adultos desequilibrados e susceptíveis.


O tratamento pode ser local a base de enxofre ou pomadas de glicerina, 7 a 10 dias. Aplicações de Ivermectina costumam ser eficazes, desde que se repita após 15 dias, e 30 dias se necessário. O tratamento homeopático pode evoluir bem e ter menores efeitos posteriores.


Os poleiros devem ser trocados ou flambados em fogo todos os dias do tratamento. O tratamento mais eficaz são feitos com a ave em gaiolas de metal, pois são mais fáceis de desinfectar. Gaiolas de madeira devem ser descartadas e queimadas.


Esta patologia é contagiosa, mas de evolução lenta, por isso recomendamos o acompanhamento homeopático. Casos mais graves poderá causar infecções secundárias, edema, aumento de volume da pata e necrose porque as anilhas podem formar um estrangulamento da circulação. (grifo nosso)


RECOMENDAÇÃO GERAL DE TRATAMENTO.


O tratamento é a base de piretróides. Costumo sempre recomendar que 1 vez por semana as aves tenham água de banho com vinagre na dose de 10 gotas por litro de água, e durante o tratamento sejam banhadas com vinagre durante 1 semana. Quando usamos piretróides, hidrossolúveis, devemos suspender o banho por dois dias após a aplicação do inseticida. Acompanhamento do plantel com homeopatia tende a reduzir a susceptibilidade aos parasitas, com relação a mortes e estresse. Quanto ao uso de Ivermectina, as doses que os criadores usam escoriando a pele tem maior risco d intoxicação, pois não regulamos a dose. O correto é usar agulhas de insulina para injeção diluída, ou oral. A chama de fogo conseguida com a vassoura de fogo pode ser muito eficaz na desinfecção de gaiolas de metal e instalações que resistentes ao fogo."

13 comentários:

  1. olá Pêcego,
    a administração de Ferro diariamente pode causar quais disturbios a um Curió na sua opinião?

    Ed Wilson

    ResponderExcluir
  2. Olá Ed,

    Já li que o excesso de ferro pode causar danos ao fígado e coração, podendo levar o passeriforme à morte, por isso todo cuidado é pouco.

    ResponderExcluir
  3. wesley oliveira da luz30 de abril de 2010 08:16

    ola antonio aki e o wesley de gurupi-to
    como eu evito o peito-seco?

    ResponderExcluir
  4. Olá Wesley, estudos científicos de veterinários especializados apontam o "peito seco" como uma síndrome terminal de uma doença já instalada e em estado avançado de evolução, podendo ser oriundo de diversas moléstias. Então, para evitar correr riscos dessa natureza, banho de sol no curió sempre que puder; higiene diária e rígida na gaiola, instalações e alimentação.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  5. wesley oliveira da luz27 de maio de 2010 16:42

    ola meu filhote tem cerca de 70 dias de vida e numca vi ele churriar???apesar de ser esperto...( wesley gurupi-to)

    ResponderExcluir
  6. Olá Wesley, alguns curiós são mais tardios. Temporada passada tive um pardo assim que só pialava, mas depois da muda de pardo para pardo, já veio meio assobiando e marcando notas. Aguarde, em tendo certeza por DNA que se trata de um macho. abraços,

    ResponderExcluir
  7. ola sou cesar gostaria de saber oque faser meu curio esta com uma crosta no bico e nao canta obrigado

    ResponderExcluir
  8. Olá Cesar, recomendo consultar um veterinário especializado como o Dr. Jorge Bellut de Avaré/SP, pois pode ser bolba ou outra doença virótica. Abs,

    ResponderExcluir
  9. wesley ola pessego agora meu filhote esta chorriando...atrasado... ja tem 5 meses e ainda nao esta assobiando???

    pode min ajudar?

    t++

    ResponderExcluir
  10. Olá Wesley, com cinco meses ele certamente acabou de fazer a muda de pardo recente. Fique calmo, deixe-o no prego com o CD que lá para final de agosto e início de setembro, provavelmente estará muito melhor...aguarde !

    Abraços,

    ResponderExcluir
  11. ola min chamo adriano tenho curio , pardo mas ñ sei ser e macho ,ou femea , como posso saber ser ele e macho ???? esperando resposta !!!

    ResponderExcluir
  12. olá amigo, meu curió está abrindo o bico e bota o a lingua para fora. esta cantando mais continua assim vermifuguei ele tem pouco tempo o que faço?---a aqui perto não tem veterinario...abraços.(felipe968@ig.com.br)valeu aguardo sua resposta..obrigado.

    ResponderExcluir
  13. Olá Jerry, desculpe-me a imperdoável demora em te responder. O único caminho que conhecemos para se saber o sexo do passeriforme é o exame de sexagem que pode ser realizado por um desses laboratórios especializados que existem neste país, como a UNIGEM, HELIXXA, SÃO CAMILO etc.

    Abraços,

    Lucineia, Recomendo fazer contato telefônico com o Dr. Jorge Bellut, veterinário de Avaré/SP, parecendo a este leigo que pode ser problema de ácaro de traquéia, mas não tenho certeza por não ter os estudos inerentes a profissional da saúde animal. abraços,

    ResponderExcluir