domingo, 31 de maio de 2009

PREMIAÇÃO PARA O TORNEIO DOS CAMPEÕES 2009







FOTO: FINAL DO TORNEIO DOS CAMPEÕES EM JUNDIAÍ/SP - 2008




PRAIA GRANDE CLÁSSICO COM REPETIÇÃO:

- 1º lugar - um carro - (equivalente) - 20.000,00

- 2º lugar - (equivalente) - 5.000,00

- 3º lugar - um notebook

- 4º lugar - um notebook

- 5º lugar - um notebook



PRAIA GRANDE CLÁSSICO SEM REPETIÇÃO:


- 1º lugar - TV LCD 42"

- 2º lugar - um notebook

- 3º lugar - uma TV 29'

- 4º lugar - uma TV 20'

- 5º lugar - um DVD *


PRAIA GRANDE PARDO COM REPETIÇÃO:

- 1º lugar - uma moto - (equivalente) - 5.000,00

- 2º lugar - um notebook

- 3º lugar - um notebook

- 4º lugar - um TV 29"

- 5º lugar - um TV 20"



PRAIA GRANDE PARDO SEM REPETIÇÃO:


- 1º lugar - TV 29"

- 2º lugar - TV 20"

- 3º lugar - um aparelho Som

- 4º lugar - um DVD *

- 5º lugar - um DVD *



* Acréscimos feitos nesta data (01/06/2009) em virtude de e-mail recebido da Diretoria Técnica da FEBRAPS

sábado, 30 de maio de 2009

CALENDÁRIO OFICIAL DE TORNEIOS DE CURIÓ


CAMPEONATO BRASILEIRO - FEBRAPS 2009



AGOSTO

- 30/08 - Araçatuba


SETEMBRO

- 06/09 - Araraquara

- 13/09 - S. José do Rio Preto

- 20/09 - Bauru

- 27/09 - Jundiaí


OUTUBRO

- 04/10 - SERCA

- 11/10 - Marília

- 18/10 - Campinas

- 25/10 - Vinhedo


NOVEMBRO

- 01/11 - Sorocaba (CANCELADO)

- 08/11 - Botucatu (CANCELADO)

- 15/11 - CUBIVALE

- 22/11 - Piracicaba (CANCELADO)

- 29/11 - Ourinhos


DEZEMBRO

- 06/12 - 1ª final de curió - sujeito a confirmação

- 13/12 - 2ª - Final de Curió -S.J.R.Preto Hotel Ipê


SUCESSO PARA TODOS E QUE VENÇAM OS MELHORES DA TEMPORADA !

Fonte: e-mail recebido da Diretoria Disciplinar da FEBRAPS

PREMIAÇÃO PARA CURIÓ NA TEMPORADA 2009



Olá, essa abaixo é a premiação que será oferecida pela Federação Brasileira de Criadores de Pássaros - FEBRAPS na temporada 2009, conforme nos passado por e-mail.


CAMPEONATO BRASILEIRO DE CANTO DE CURIÓ PRAIA GRANDE



- PRAIA GRANDE CLÁSSICO COM REPETIÇÃO:


1º lugar (equivalente) 10.000,00

2º lugar uma moto - (equivalente) 5.000,00

3º lugar um Notebook

4º lugar um Notebook

5º lugar um Notebook



- PRAIA GRANDE CLÁSSICO SEM REPETIÇÃO:


1º lugar - TV LCD 42"

2º lugar um Notebook

3º lugar uma TV 29'

4º lugar uma TV 20'

5º lugar um DVD *



- PRAIA GRANDE PARDO COM REPETIÇÃO:


1º lugar (equivalente) 5.000,00

2º lugar um Notebook

3º lugar um Notebook

4º lugar uma TV 29"

5º lugar uma TV 20"



- PRAIA GRANDE PARDO SEM REPETIÇÃO:


1º lugar TV 29"

2º lugar TV 20"

3º lugar um aparelho Som

4º lugar um DVD *

5º lugar um DVD *


* Acréscimos e alterações feitas nesta data (01/06/2009) em face de e-mail retificador recebido da Diretoria Técnica da FEBRAPS.


NOTA RETIFICADORA DO AUTOR:


Prezados, informo e, ao mesmo tempo, pedindo desculpas pelo transtorno na fidelidade da transmissão:


1) - Houve falha na comunicação inicial e quando me enviaram a premiação do brasileiro não constaram que as categorias Praia Grande Clássico Sem Repetição e Praia Grande Pardo Sem Repetição iriam continuar a serem premiadas até o quinto lugar, o que foi efetivamente corrigido nesta data (01/06/2009) por intermédio de e-mail gentilmente nos enviado pela Diretoria Técnica da FEBRAPS, portanto fica sem efeito qualquer comentário anterior de minha parte sobre esses aspectos, já constando acima a premiação devida para o 4º e 5º lugar das categorias citadas;


2) - No mais, retirando da nota abaixo os parágrafos que não se ajustam a esta nota retificadora e a todo o contexto, mantenho o restante por seus próprios fundamentos, mas devidamente adequados ao contexto que queremos manter em foco.


NOTA DO AUTOR: Bom gente, verificamos que houve uma melhora na premiação conferida ao Praia Grande Clássico Com Repetição e ao Praia Grande Pardo Com Repetição, notadamente do segundo lugar para baixo, mantendo-se inalterada aquela conferida aos campeões.


Constata-se que se deslocou o Curió Praia Grande dos Torneios de Clássicos e Pardos, uma vez que tiveram pequenas participações na temporada passada, sendo que em algumas estacas chegaram a ter somente três competidores, havia o necessário manejo com despesas de juízes capacitados, o que são poucos, a necessidade de se achar um local isolado para a estaca dessa categoria para não influenciar negativamente as demais categorias do Praia Grande, notadamente o Praia Grande Clássico e o Praia Grande Pardo, visto que pelo Regulamento não há obstáculos que apresente defeitos em seus cantos, desde que as notas mínimas necessárias do canto fossem dadas, o que acarretava perigosamente problemas para os curiozeiros que tinham clássicos pretos ou pardos apresentando na estaca.


Assim, como o fim que se busca é fazer um curió Praia Grande Clássico, trabalho que se inicia nos pardos e não nos pretos com o canto já firmado, servindo muito bem os Praia Grandes para cantar em casa, em lugares diversos, ou até mesmo para tirar deles na criação a sua eventual e excelente genética que carregam e podem transmitir de uma maneira espetacular, mas não para conviver num mesmo torneio com curiós Praia Grande Clássico já pretos ou pardos.


Na seara das premiações devemos ter premiações distintas, pois afinal o Clássico Com Repetição é a principal categoria, tanto que ao campeão brasileiro é conferido o Troféu Ana Dias - "O Curió do Século", mas sempre defendemos a bandeira de que o Praia Grande Clássico Sem Repetição, justamente por ser a categoria logo abaixo da principal que é a de repetição, nunca poderia receber premiação inferior ao Praia Grande Pardo Com Repetição, no mínimo igual como foi, se não me falha a memória, em 2006, afinal este por melhor que cante, enquanto não mostrar ao que veio como preto adulto, será sempre uma promessa ou até mesmo uma grande promessa, enquanto o preto clássico com ou sem repetição já uma realidade concreta; vale dizer já disse ao que veio.

Sobre esse aspecto, o próprio Regulamento exige que o Praia Grande Clássico Com ou Sem Repetição dê todas as notas dessa categoria, o que não se exige do Praia Grande Pardo, embora o nível atual, pelo grande trabalho de criadores e mantenedores faça com que hajam muitos pardos cantando um clássico com muita categoria nas estacas, melhor até que muitos pretos, e com um nível aumentando a cada temporada, mas como disse, enquanto não forem pretos, a experiência hodierna nos mostra que serão sempre promessas ou grandes expectativas e não se pode premiar melhor aquele em que o próprio Regulamento exige menos para não ser colocado fora de prova, ou seja, premiar melhor a esperança em detrimento daquele que já é uma realidade.


Essas são as nossas considerações pessoais que carrego há temporadas e as apresento para compartilhar com os demais e levá-los a reflexão, respeitadas às opiniões em contrário.


Forte abraço a todos !

IMPORTANTE PRONUNCIAMENTO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS



PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO PELO GABINETE)O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB-SP. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, recentemente acompanhei os dirigentes da Confederação Brasileira dos Criadores de Pássaros Nativos - COBRAP e da Federação Brasileira de Criadores de Pássaros - FEBRAPS a uma audiência com o Presidente do IBAMA, Roberto Messias Franco, mantendo meu compromisso incondicional em defesa dos direitos e legítimos interesses dos criadores legalizados de animais nativos no Brasil.


A reunião se fazia necessária, uma vez que, nos últimos anos a criação de animais da fauna nativa vem se tornando um verdadeiro "gargalo" da Administração Pública Federal, com problemas visíveis de gestão e também graves deturpações.


A gestão de fauna no Brasil é comprometida pela centralização dos trabalhos nas mãos do IBAMA e também pelo desaparelhamento dessa entidade, que quase nunca tem pessoal ou estrutura burocrática eficiente capaz de responder, tempestivamente, por uma demanda cada vez maior da fauna nativa.


Durante a reunião foram expostos os problemas que atualmente afligem criadores amadores e comerciais, tais como: Insuficiência de prazo para o recadastramento de criadores amadores; inscrição de novos criadores comerciais; entrega de anilhas aos criadores amadores e outros; e problemas diversos de relacionamento do setor de gestão de fauna com os criadores.


Preocupa-nos, sobremaneira, o fato de que a Lei e as normativas, em vigor, não são observadas em algumas regionais do órgão, o que gera indignação na classe dos criadores e empurra grande parte deles para a marginalidade, estimulando o tráfico. Um verdadeiro contra senso. Esses fatos, contrariam também, a recomendação da CPI do Tráfico desta Câmara Federal.


Da forma que está sendo tratada a gestão de fauna em nosso País e levando em conta que a referida CPI consumiu milhões de reais, suponho que está havendo grande desperdício de dinheiro público.


Não se pode admitir que essas agressões à legalidade continuem ocorrendo.Deturpações graves são observadas, também, quando se mistura o problema do tráfico de animais silvestres, nascidos em vida livre, com a criação legalizada de animais nativos nascidos e mantidos em criatórios licenciados. Infelizmente, existem tentativas de associar uma coisa à outra, como se o criador estivesse na marginalidade.Tal situação gera grande insegurança no setor da criação animal e prejudica o combate ao tráfico.


Em busca de solução para esses problemas e querendo principalmente resgatar a dignidade e a auto estima dos criadores amadores e comerciais de passeriformes é que promovemos a audiência.O Dr. Roberto Messias Franco ouviu com atenção todas as reclamações dos criadores, debateu os pontos e se comprometeu a apresentar algumas soluções urgentes para diversos deles.


É importante registrar que deixamos a sala da Presidência do IBAMA satisfeitos, por percebermos que o Dr. Messias promovendo uma gestão de fauna compartilhada, onde os atores da criação são partícipes, propondo e sendo ouvidos. Agora é esperar os resultados.


Muito obrigado


Fonte: Aloísio Pacini Tostes (Presidente da COBRAP)

terça-feira, 26 de maio de 2009

PAELLA DO LUA 2009


Prezados,



Neste último domingo (24/05/2009) tivemos o prazer juntamente com minha esposa Mônica Pêcego, por mais um ano, de estar presente na grande festa promocional de arrecadação para a premiação do Campeonato Brasileiro e Torneio dos Campeões da FEBRAPS 2009, sendo que estiveram presentes entre 400 e 500 pessoas de diversas partes desse nosso imenso Brasil, do norte ao sul do País.


Se fizeram presentes curiozeiros do Acre; Brasília; Minas Gerais; Rio de Janeiro; Paraná; Santa Catarina e Rio Grande do Sul, dentre outros, com alguns acompanhados de amigos, esposas e filhos, o que demonstra a credibilidade que goza o evento, bem como que a sua ocorrência está se tornando tradição e o evento mais esperado do ano.

Foi uma linda festa de confraternização e solidariedade, com show de brindes e uma paella deliciosa, estando de parabéns os organizadores, em especial o nosso estimado amigo, curiozeiro de primeira e renome, Luis Carlos Escalante - O Lua, que de forma incansável conduziu as festividades.

Também se fizeram presentes:

1) - O Deputado Federal Nelson Marquezelli (PTB-SP), grande defensor na Câmara dos Deputados dos Criadores de Animais Nativos de nosso País, sempre acompanhado pelo Senhor Afrânio Delgado (Presidente da Febraps) e o Senhor Aloísio Pacini Tostes (Presidente da Cobrap);

2) - A Diretoria Técnica da Febraps e inúmeros bicudeiros de renome, dentre outros que não me recordo no momento, cito Noadyr, José Carlos Gradela, Paulinho Milian (também curiozeiro), Vilmar, Ednei e Aluízio David;

3) - Representantes Comerciais da Nutrópica; Tectron; Revista Passarinheiros & Cia e outros mais;

4) - Uma Delegação de curiozeiros de renome do Estado do Paraná; Santa Catarina e Rio Grande do Sul, sendo que conferimos a presença, dentre outros, se a minha limitada memória me permite, de Humbertinho Sandri e esposa, Clóvis Tonissi, Miguel Serkes, Calimério, Luiz Carlos Claumann (Juiz de Canto), Silvio (Curió Veleiro), os irmãos Serginho e Paulinho Daitx, e muito mais, estando de parabéns todos pela importante participação e colaboração, reclamando oportunamente que volte a ter etapas do brasileiro no Sul e, quiçá, uma das etapas do Torneio dos Campeões;

5) - O Pentacampeão do Troféu Ana Dias "O Curió do Século" (Conferido os Campeões Brasileiros no Praia Grande Clássico Com Repetição), João Batista Fourlani (Curiós Jubileu de Prata, Big Brother e Valente), o Bicampeão Lua (Curió Curumim do Vale e Lual do Vale) e os campeões Antonio Pereira de Botucatu/SP (Curió Estrela da Serra), Luiz Sérgio da Silva (Serginho) de Marília/SP (Curió Cabeça Branca), Paulo Milian (Curió Santa Maria), Francisco Parmegiano (Curió Dominique), Juvêncio Pedro Dias (Curió Alvorada) e José Roberto Moretti (Curió Menino Prodígio).

Observamos a necessidade de uma maior mobilização dos curiozeiros na organização dessa festa, pois sentimos, ainda que estejamos equivocados, que o incansável Lua, familiares e alguns poucos amigos é que carregaram o piano, arrecadando o que acreditamos que possa dar para subsidiar a premiação nesta próxima temporada de 2009, mas sinto que necessitamos que mais curiozeiros ponham-se com mãos à obra na organização do evento, bem como no bolso, temeroso que amanhã possa haver um esgotamento físico e mental do Lua e tudo volte a ser como antes no castelo de abrantes.


Forte abraço e que venha a temporada 2009 que se inicia ao final de agosto !!

Foto: Ernesto Bimonti

quinta-feira, 21 de maio de 2009

DICAS DE APRENDIZADO: O CANTO DE CURIÓ PRAIA GRANDE CLÁSSICO


Prezados,


Ao longo do tempo sempre recebemos mensagens de colegas curiozeiros nos passando vídeos de seus pardos para que possamos tentar ajudar na identificação de notas do canto praia grande, bem como analisar o desenvolvimento do filhote em face da idade, por isso resolvi fazer essa postagem, visando, no nosso entendimento, mostrar quais seriam as pedras a trilhar nesse caminho.



Primeiramente temos que conhecer e decorar as notas do canto praia grande clássico para depois tentarmos interpretar e identificar pelos sons emitidos pelos filhotes, na fase certa (churriado com notinhas e/ou marcação de notas), se está emitindo notas e quais.



Basicamente, a primeira providência é fazer uma visita ao site da Federação Brasileira de Criadores de Pássaros - FEBRAPS (http://www.febraps.org.br/ ) e indo no Regulamento, extrair as notas expressamente previstas do canto de curió praia grande clássico.



A segunda providência, isso tudo no nosso entendimento, obviamente porque foi o que fizemos, mas pode haver outra metodologia que achem melhor, é decorar todo o dialeto, nota por nota na sua sequência de tal forma que vc mesmo seja capaz de chegar a um ponto de falar rapidamente, mas muito rapidamente toda a sequência com um e dois samaritás sem errar, como se fosse um canto com andamento altamente acelerado.



Se mentalmente for capaz de assim fazê-lo, no nosso entendimento, já estará a meio caminho andado de conseguir identificar as notas do canto praia grande em qualquer curió com andamento lento, moderado ou acelerado.



Todavia, só isso não basta, faz-se necessário ouvir o canto, por exemplo em CD, por exaustivas vezes para mentalmente acompanhar nota por nota que é emitida, de forma que, já sabedor das notas e sua sequência, passa a ocorrer o processo de educação auditiva de vinculação daqueles sons às notas do canto já memorizadas.



Uma dica, sempre que for prestigiar um torneio de canto individual de curió praia grande, vá até a estaca dos clássicos e quando um se apresentar fique mentalmente acompanhando o seu canto que de início sentirá que ele comeu essa ou aquela nota, na maioria das vezes, não sabendo identificar qual, mas terá a certeza que ele comeu alguma nota, para, num passo à frente, já conseguir identificar qual (is) nota (s) o curió comeu em sua apresentação.



É assim que os Juízes de Canto de Curió Praia Grande fazem ao julgar, ou seja, mentalmente cantam junto com o curió para detectar eventual falha, mas é claro que este se refere apenas a um dos aspectos de colocação de notas e, além de haver outros, há também outros aspectos a serem julgados de caráter objetivo e alguns subjetivos que não vem ao caso e estão previstos também no acima citado Regulamento.



Em 2005, juntamente com o nosso filho mais velho Eduardo, tivemos o prazer de fazer o Curso para Juízes de Canto Praia Grande da FEBRAPS em parceria com a SERCA, aliás o que todo expositor e mantenedor deveria fazer, tendo atuado apenas em uma etapa (São José do Rio Preto/SP) porque queria ser ao mesmo tempo expositor em estaca diversa, aí não dava, pois não fazia uma coisa nem outra bem, tendo optado por ser apenas expositor.



Entretanto, para esse curso acima, fiz com o meu filho um treinamento muito salutar que pode ser bom para todo e qualquer interessado. Temos o prazer de ter a coleção completa dos CDs do Curió Ana Dias em todos os seus Selos, o que recomendo a todos. Então, fazíamos o seguinte: O meu filho colocava um Selo no gravador e nós tínhamos que tentar identificar pelo andamento e colocação de notas de qual se tratava. Jogo interessante, ilustrativo e educativo na esfera auditiva que recomendo, pois ao final vc se surpreende com o índice de acerto e, amanhã, na estaca ou ouvindo um pardo de um amigo, vc poderá ter êxito em identificar que Selo ele canta, ou até mesmo pela sua cantoria, qual Selo que, em tese, ele pede que seja tocado.



Bom, desculpe-me a longa postagem, mas acredito que como para mim e meu filho Eduardo outrora isso tudo foi muito salutar, decidi dividir isso com vcs, viabilizando aos interessados um melhor aprendizado desse maravilhoso canto de curió Praia Grande Clássico.



Até uma outra oportunidade e assistam abaixo uma cantada !

video

quinta-feira, 14 de maio de 2009

TROFÉU "ANA DIAS - CURIÓ DO SÉCULO"






Idealizado e criado pelo saudoso Sr. Water Moretti (Jundiaí/SP), juntamente com a artista plástica e escultora Semiramis Mojola, em homenagem ao Curió Ana Dias (falecido em 22.04.1987, aos 32 anos de vida), iniciou-se a entrega deste importante "Oscar" dos curiozeiros em 1987 a todos os Campeões Brasileiros da Categoria Praia Grande Clássico Com Repetição pela FEBRAPS, a principal categoria do canto de curió praia grande.



Todos os anos, desde então, temos tido um ou até dois campeões na mesma temporada, com a respectiva entrega desse bonito troféu que se vê na foto com este autor, registrando essa cumulatividade em 1987 por meio dos Curiós Fumaça (Benedito Morato do Amaral - Sorocaba/SP) e Águia Negra (Severiano Gonçalves - São Paulo/SP), e 2003 com os Curiós Big Brother e Valente, ambos do curiozeiro João Batista Fourlani Neto - São Paulo/SP.


Foram bicampeões o Curió Big Brother (2002/2003) e o Curió Jubileu de Prata (João Batista Fourlani Neto - São Paulo/SP).


Foram tricampeões o Curió Estrela de Prata (1988-1990 - Manoel dos Santos Filho - São Paulo/SP), e o Curió Alvorada (1991 - Juvêncio Pedro Dias - Bauru/SP e 1992-1993 José Antonio Carneiro de Souza Filho - Taubaté/SP).


Registramos que o Sr. João Batista Fourlani é o único Pentacampeão com os Curiós Jubileu de Prata (1995/96), Big Brother (2002/03) e Valente (2003), fazendo jus ao recebimento dos troféus pertinentes.


O saudoso e inigualável Curió Cyborg (Roberto Rivelino - São Paulo/SP) foi o Campeão Brasileiro em 2001, levando para casa esse importante troféu.


Fora esses acima citados, foram também campeões com direito a esse importante troféu os Curiós Curumim do Vale (1994 - Luiz Carlos Lesen Escalante - O Lua - São Paulo/SP); Pavaroti (1997 - Renato Rossi - São Paulo/SP); Estrela da Serra (1998 - Antonio Pereira da Silva - Botucatu/SP); Santa Maria (1999 - Paulo R. Milian Martins - S.J.Rio Preto/SP); Dominique (2000 - Francisco Parmigiano - São Paulo/SP); Cabeça Branca (2004 - Luiz Sérgio da Silva - Marília/SP); Viola Neto (2005 - Afonso Carlos Neves - Barretos/SP); Lual do Vale (2006 - Luiz Carlos Lesen Escalante - São Paulo/SP); Menino Prodígio (2007 - José Roberto Moretti - Jaboticabal/SP) e, quebrando a hegemonia dos curiozeiros de São Paulo, o Curió Muralha conquistou-o na última temporada (2008 - Antonio José F. de S. Pêcego - Uberlândia/MG, na foto acima).


Se por um lado devemos ao saudoso Sr. Water Moretti a idéia da criação desse importante troféu, por outro também devemos a ele a transferência dos direitos autorais do Canto do Curió Ana Dias ao Sr. Olívio Nishiura que, com dedicação e lealdade, tem dado continuidade a essa significativa premiação, perpetuação e aprimoramento do canto de curió praia grande clássico, por meio da produção de milhares de discos de vinil, fitas e CDs.


Bibliografia: SILVA. Antonio Pereira, Passarinheiros & Cia. Ano VII - nº 49 - mar/abr 2008, pp.64-5

quinta-feira, 7 de maio de 2009

ECTOPARASITAS - III


Continuação ...


"ÁCARO DOS SACOS AÉREOS.



Este ácaro se instala nos sacos aéreos, traquéia, e narinas, se fixando na parede e formando nódulos de inflamação. No exame clínico e na necrópsia verificamos pequenos pontos negros nestas áreas. Já foram encontrados debaixo da pele, formando granulações. Induzem a infecções respiratórias secundárias sérias ou mesmo asfixia por infestação. Os ácaros de vias respiratória encontrados são: Sternostoma tracheacolum, mais comum, além dos, Cytodites nudus, Psittanyssua sp e Ameroseius sp. Existem pelo menos 38 espécies de ácaros isolados destas vias.


As aves pigarreiam, enrolam a língua como estivessem com algo na garganta, fazem um ruído bem característico de 'crirrc, crirrc', apresentam dificuldades respiratórias e até mesmo asma. As aves podem morrer asfixiadas ou por problemas de infecções secundária severas. Aves canoras podem apresentar falhas no canto progressivo, rouquidão e perda da voz, mesmo tentando emitir sons. As aves esfregam o bico no poleiro desesperadamente, podendo até machucar as laterais e causar feridas infecciosas.


O tratamento mais eficaz é aquele feito com Ivermectina injetável ou oral. Repetindo-se de 15 em 15 dias. Alguns casos com infecções respiratórias secundárias devem ser tratadas para o quadro respiratório bacteriano ou por mycoplasma. (grifo nosso).



SARNA.


A sarna das aves é o Knemidokoptes jamaicensis em canários e aves silvestres, e o Knemidokoptes pilae nos piriquitos. Nos canários e curiós costuma aparecer nas patas, causando a formação de crostas, pseudodedos, escamas que soltam muito tecido. Nos periquitos a sarna se apresenta na comissura bucal, na carúncula, no bico, na pele da cabeça, provocando escoriações, hiperplasia da pele e crescimento anormal do bico, dificultando até mesmo a apreensão dos alimentos.


No início do processo é difícil observarmos as lesões, mas no decorrer da evolução da doença, vão surgindo as escamas e crostas. Ao raspado de pele é muito fácil observar os ácaros.


No ciclo evolutivo deste ácaro ocorre penetração da epiderme através do folículo da pena, com a formação de galerias. A pele desta região reage proliferando sua células, que se descamam pela grande quantidade de querantin que possuem na superfície. As fêmeas alojadas neste local botam ovos, que evoluem para larva, ninfa e adulto. A transmissão ocorre ainda no ninho, embora se manifeste apenas nos adultos desequilibrados e susceptíveis.


O tratamento pode ser local a base de enxofre ou pomadas de glicerina, 7 a 10 dias. Aplicações de Ivermectina costumam ser eficazes, desde que se repita após 15 dias, e 30 dias se necessário. O tratamento homeopático pode evoluir bem e ter menores efeitos posteriores.


Os poleiros devem ser trocados ou flambados em fogo todos os dias do tratamento. O tratamento mais eficaz são feitos com a ave em gaiolas de metal, pois são mais fáceis de desinfectar. Gaiolas de madeira devem ser descartadas e queimadas.


Esta patologia é contagiosa, mas de evolução lenta, por isso recomendamos o acompanhamento homeopático. Casos mais graves poderá causar infecções secundárias, edema, aumento de volume da pata e necrose porque as anilhas podem formar um estrangulamento da circulação. (grifo nosso)


RECOMENDAÇÃO GERAL DE TRATAMENTO.


O tratamento é a base de piretróides. Costumo sempre recomendar que 1 vez por semana as aves tenham água de banho com vinagre na dose de 10 gotas por litro de água, e durante o tratamento sejam banhadas com vinagre durante 1 semana. Quando usamos piretróides, hidrossolúveis, devemos suspender o banho por dois dias após a aplicação do inseticida. Acompanhamento do plantel com homeopatia tende a reduzir a susceptibilidade aos parasitas, com relação a mortes e estresse. Quanto ao uso de Ivermectina, as doses que os criadores usam escoriando a pele tem maior risco d intoxicação, pois não regulamos a dose. O correto é usar agulhas de insulina para injeção diluída, ou oral. A chama de fogo conseguida com a vassoura de fogo pode ser muito eficaz na desinfecção de gaiolas de metal e instalações que resistentes ao fogo."

ECTOPARASITAS - II

Continuação ...

"ÁCARO VERMELHO.

Chamado cientificamente de Dermanyssus avium. Possui tamanho médio de 0,6 mm, sendo a fêmea um pouco maior. É um parasita externo, que atacam qualquer tipo de ave. Sua cor além do vermelho, pode ser cinza e branco de acordo como o volume de sangue ingerido.

Seu ciclo evolutivo inicia no ovo, passa para larva, e ninfa em um período de 1 semana. Alguns podem se manter vivos, por 5 meses ou mais sem se alimentar. Eles podem se alojar em frestas muito pequenas das instalações. Às vezes o criador pensa que exterminou o parasita, mas ele permanece nestes locais reservados até nova época propícia. Em temperaturas de 0ºC a 9ºC não é possível o nascimento das larvas. Entre 9ºC a 15ºC as larvas eclodem em 5 a 8 dias, em temperaturas de 18 a 20ºC as larvas eclodem, e de 33 a 35ºC eclodem em 36 horas. Sua digestão é lenta em temperaturas baixas e rápida em temperaturas altas. Os ovos são postos em locais onde se escondem.

Os sintomas da evolução são muito mais graves em filhotes, principalmente os que ainda estão no ninho:

1. anemia progressiva e intensa.
2. perda da vivacidade, atividade e perda dos movimentos.
3. peito seco.
4. prostração e morte em poucos dias.

As lesões observadas ao exame de necrópsia são:

1. fígado pálido.
2. caquexia (peito seco - perda da musculatura peitoral).

O tratamento e a profilaxia deve ser baseada em rigorosas normas higiênicas da criação, examinar frequentemente as aves, e não deixar entrar ave silvestre, ou aves da mesma espécie sem os devidos tratamentos na quarentena. Os tratamentos menos tóxicos são os piretróides na dose correta, determinada pelo produto comercial.


ÁCARO DAS BÁRBULAS.

É o mesmo parasita da mesma família do grupo anterior (Syringophylus bipectinatus), mas que vive sobre a pele, se alimentando das plumas, comendo as bárbulas das plumas, destruindo-as, assim como as escamas, assim como se alimentando do tecido gorduroso da pele. Seu nome científico é Proctophyllotes glandarinus. O diagnóstico pode ser feito olhando-se as penas da asa da ave contra a luz, observando linhas de cúmulos de ácaros, usar um microscópio para observação das plumas e penas. O tratamento é a base de piretróides. Costumo sempre recomendar que 1 vez por semana as aves tenham água de banho com vinagre na dose de 10 gotas por litro de água, e durante o tratamento sejam banhadas com vinagre durante 1 semana. Quando usamos piretróides, hidrossolúveis, devemos suspender o banho por dois dias após a aplicação do inseticida. Acompanhamento do plantel com homeopatia tende a reduzir a susceptibilidade aos parasitas, com relação a mortes e estresse. (grifo nosso)"

ECTOPARASITAS - I


Prezados,

Constantemente vemos um ou outro colega envolvido com problemas com parasitas de diversos tipos em seu plantel, ou mesmo em seu pássaro de torneio ou não, por isso resolvemos trazer à colação os ensinamentos da renomada Dra. Stella Maris Benez (Aves - Criação - Clínica - Teoria - Prática - silvestres - ornamentais - avinhados. São Paulo: Robe, 1998, p. 352-56), dividindo a matéria em algumas postagens, evitando-se assim um texto muito longo e cansativo para vc leitor e interessado, mas concentrando-me no ácaro.

Boa leitura !

"Os ectoparasitas são parasitas que se localizam apenas na superfície do corpo da ave, seja na pele ou nas penas. Alguns podem adentrar o pavilhão auricular e narinas apenas por serem cavidades naturais e quentes, e traquéia e sacos aéreos por serem continuidade das vias respiratórias, mantendo fácil contacto com o meio externo. Estes parasitas podem ter grande influência na transmissão de doenças das aves.

São apresentados em dois grupos de artrópodes que vivem fora do corpo da ave e se alimentam nela:

1. os ácaros: ácaro vermelho, ácaro do canhão das penas, ácaro das bárbulas e plumas, sarna Knemidokoptes e ácaros dos sacos aéreos.

2. os piolhos de variados tipos.

Os parasitas podem causar:

1. anemias por perdas consideráveis de sangue que estes extraem do organismo da ave.
2. reações de excitação e nervosismo.
3. alterações no empenamento.
4. úlceras de pele.
5. queda de plumas.
6. aspecto feio e perda de brilho.
7. deficiência no canto.
8. deficiência na cor.

ÁCARO DO CANHÃO DAS PENAS:

Denominado de Syringophylus bipectinaus possuindo 0,7 mm de tamanho, que se localiza nas plumas alares ou caudais. Dentro dos canhões nutre-se de escamas, sangue do próprio canhão em desenvolvimento. Como as plumas perdem seu meio normal de nutrição, apresentam aspecto feio, com perda de brilho e partes de sua estrutura, são frágeis e de fácil fratura, ou queda. As aves ficam excitadas, picam a base das pernas, e as vezes as arrancam, trazendo muito mal estar. O tratamento é a base de medicação externa, pouco eficaz. A melhor medicação é a aplicação injetável de Ivermectina diluído na dose precisa para cada ave."

NOTA PESSOAL: Temos utilizado com amplo sucesso para o tratamento contra qualquer parasita interno ou externo o IVOMEC EXCLUSIVO PARA CARNEIROS que é com uma concentração menor de Ivermectina, precisamente 0,08% contra os tradicionais 1,0% dos demais produtos da Ivomec. O rótulo é verde e vem expressamente escrito a porcentagem do princípio ativo. Para parasitas externos, coloca-se por sete dias consecutivos uma gota em 100 ml de água filtrada na banheira, retirando-a logo após o passeriforme se banhar. Para parasitas internos, temos adotado com sucesso um gota desse produto em 50 ml de água filtrada ou mineral no bebedouro por sete dias, fornecendo ao final por cinco dias o Mercepton Oral/Avícola na proporção de quatro gotas para iguais 50 ml de água no bebedouro, uma vez que esse produto é conhecido como eficiente Antitóxico e desopilador do fígado, ciente que a metabolização da ivermectina ocorre no fígado do passeriforme. Temos adotado há tempos esse procedimento, quando necessário com amplo sucesso nos curiós pardos ou pretos, sem qualquer sequela, mas há necessidade de ser o exclusivo para carneiros, produto difícil de achar no mercado. Essa nota é válida para as demais postagens a seguir sobre o tema ácaro.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

VERMINOSES




Fonte: Revista Pássaros - ANO 13 - Nº 70, p. 41

"Em nosso entendimento a vermifugação do plantel, duas vezes por ano, é importante fator para a manutenção de uma condição sanitária ideal.

Sabemos que o vermífugo, como praticamente todo o medicamento, é um mal menor que se destina ao combate de mal maior. Observamos durante alguns anos a evolução de planteis de criadores que partem da premissa de que vermifugando os pássaros que chegam ao criatório, não há possibilidade de reinfestações, pois não há meio de contaminação de suas aves e concluímos que o saldo de quem controla melhor as verminoeses é positivo.

Adotamos a aplicação de G-Trox com uma cápsula em 50 ml de água, permanecendo sem trocar a água por dois dias, 6 edias de intervalo e repetimos a medicação, após o término da muda de penas e antes da estação de reprodução (final de julho ou início de agosto).

No intervalo entre os dias de tratamento, por 5 dias após cada vermifugação ministramos Aminosol".

NOTA 1: Prezados, o princípio ativo do G-Trox é a Ivermectina que faz a metabolização no fígado, razão pela qual, particularmente, se utilizarem desse produto, recomendo que em seguida ao seu uso, aplicarem por cinco dias o Mercepton Oral que é conhecido Antitóxico e desopilador do fígado, ou seja, tanto no intervalo entre a primeira e a segunda aplicação, como ao término da utilização do produto acima, sendo essa a nossa preferência, no caso, em detrimento do Aminosol.

NOTA 2: Prezados, se vc tem poucos pássaros, melhor fazer anualmente ou semestralmente exame de fezes parasitológico para verificar a necessidade ou não de usar vermífugo. Se um novo espécime é introduzido no plantel, no período de quarentena, é recomendável vermífugar, ou mesmo pode fazer também o exame acima para detectar a sua necessidade. Olho com simpátia grandes criadores de passeriformes que fazem semestralmente exames de fezes parasitológico no plantel por amostragem com base nos 10% das espécimes, afinal se houver manifestação ela logo irá se pronunciar nessa coleta, do contrário, evitará a medicação desnecessária, o que certamente não será salutar para o (s) passeriforme (s).

ROUQUIDÃO

Fonte: Revista Pássaros - ANO 13 - Nº 70, p. 41

"Comum em pássaros canoros.

Sintomas: Muito comum em trincas. A voz fica rouca e há grande dificuldade para cantar. No inicio da rouquidão somem algumas notas do canto e com o agravamento o pássaro fica mudo. Muitos pássaros acometidos por rouquidão, mesmo recuperados, nunca mais voltam aos torneios, embora permaneçam como reprodutores.

Causas: São muitas as causas possíveis para a rouquidão dos pássaros. Na maioria dos casos a rouquidão está relacionada com correntes de ar, mudança brusca de temperatura ou, ainda, ingestão de alimentos ou água gelados. São os casos de tratamento mais fácil.

A rouquidão pode ser causada por doenças respiratórias ou por ácaros. Os casos mais graves estão ligados às infestações pelo nematóide Syngamus Trachea, cuja larva pode atingir tanto o trato gástrico do animal como o sistema respiratório, principalmente a traquéia e os pulmões. Dependendo da quantidade de parasitas, as aves apresentam dificuldades respiratórias e podem até morrer sufocadas. Fêmeas adultas podem chegar a medir 2 cm e se fixar nos pulmões ou traquéia do pássaro.

Tratamento: O tratamento está ligado ao diagnóstico. Na impossibilidade de uma avaliação por médico veterinário, costumamos descartar a possibilidade de infestação por ácaros de traquéia com o emprego de Ivermectina. São várias as opões, como o Ivomec Pour On, o Alax, a Reverctina ou o G-Trox, com preferência para o G-Trox pela facilidade de manejo e dosagem.

Se o uso de ivermectina não solucionar o problema de rouquidão, concluímos que a causa seja de origem bacteriana. A primeira opção é a associação de sulfametoxazol e trimetropina, contidas no R-Trill, ou no Afectrim. A posologia mais usual é de 08 a 10 gotas em 50 ml de água, durante 10 dias.

Se a recuperação não for total, restará o recurso do tratamento com Tilosina, encontrada no Tylan ou no Nalyt da Angercal. Já vimos muitos passarinheiros empregarem a associação de 1 g de Nalyt Plus com 8 gotas d R-Trill em 50 ml. As interações medicamentosas devem ser objeto de muita atenção, pois corremos o risco de potencializar efeitos, tanto benéficos quanto maléficos. Ainda com, praticamente o mesmo espectro de ação, pode ser empregado o Linco-Spectin.

Prevenção: Evitar mudanças bruscas de temperatura, correntes de ar e alimentos gelados. Ministrar uma gota de própolis em 50 ml de água ou chá de romã, sempre que o pássaro retornar de treinamentos ou torneios onde, normalmente, canta mais do que é acostumado em seu dia a dia. Vermifugar com G-Trox 2 vezes por ano."

Obs.: Prezados, tomo a liberdade de sugerir, que é o que eu faria, caso se utilizem dessa metodologia acima, em sendo necessário, entre uma medicação e outra, dê um intervalo de cinco dias utilizando-se de Mercepton Oral que é Antitóxico e ajuda a desopilar o fígado. Particularmente, se forem utilizar Ivermectina, tomo a liberdade de sugerir o Ivomec "Exclusivo para Carneiros" de rótulo verde onde se encontra expressamente escrita a concentração de 0,08% de Ivermectina, pois as demais são de concentração muito forte, ou seja, de 1%. Sobre o produto Alax, há quem já tenha levado à óbito fêmea do criadouro na sua utilização.

Esperamos ter ajudado de alguma forma. Abraços,