sexta-feira, 5 de março de 2010

ENTREVISTA: CRIADOURO FAXINA

FOTO: Faxina de camisa branca, em visita ao amigo Dimas do Criadouro Mineirinho, no caso, no bercário onde os pardos desmamados ficam tendo aulas de canto enquanto não surge alguém interessado em adotar um filhote.


Boa noite, meus caros leitores. Hoje temos o prazer imensurável de apresentar a vcs a importante entrevista com o Criadouro Faxina do nosso amigo de anos Eurídio Faxina, conhecido por todos como Faxina, que fica localizado na Cidade de Mundo Novo/MS. Falar desse criador, é falar de experiência hodierna, de grande produtor de curiós pardos encartados no Praia Grande Clássico ao longo do tempo, de alguém humilde, atencioso para com todos que o procuram, e com muita experiência, sempre pronto a ajudar aqueles que o procuram pela internet para tirar suas dúvidas, sendo respeitado por todos os grandes criadores de curió.


Confiram abaixo essa inédita e importante entrevista:


CC&T - Quando começou a criar ?

EF - Iniciei pra valer depois que um bandido entrou no meu criadouro em 28/12/2003 onde haviam 11 fêmeas, que pela primeira vez consegui fazer chocar todas juntos. Levou e soltou todas, aí, sem filhotes, sem criação para cuidar, restou ir em um torneio do PR. Ali o Sr. Aloísio Tostes viu o “Guga” e incentivou a levá-lo ao Torneio dos Campeões pela Cobrap em Ribeirão Preto no ano de 2004, onde ele foi campeão PGC c/r com nota acima de 9,0 pelo Mestre Olívio Nishiura, antes disso era só uma brincadeira, tinha ele há 5 anos cantando em casa e ao fundo o seu pai e avô de cantos regionais que exigia cuidados especiais.

CC&T - Iniciou logo com curiós ou não?

EF - Iniciei com várias espécies.

CC&T - É criador amadorista ou comercial?

EF - Amadorista

CC&T - Há quanto tempo ?

EF - Desde 1986 na Associação de Dourados - MS, depois 08/08/88 na Associação de Mundo Novo como sócio fundador.

CC&T - Descreva para nós como é a estrutura do seu criadouro/criatório, no que diz respeito a compartimentos da criação, ou seja às suas instalações propriamente ditas ?

EF - Improvisado, a criação se desenvolve numa casa de moradia, as prateleiras são feitas em tubos de aço para duas fileiras de gaiolas em madeira, em cada cômodo, num total de 8, há um espaço fora do corpo da casa onde deixo os galadores em caixas. Aqui no terreno da casa de residência uso outras três peças simples feitas para os bichos, uma para as fêmeas que são apartadas da criação com filhotes novos e as outras com caixas acústicas para de isolamentos.


CC&T - O seu plantel é formado por quantas fêmeas e machos ?

EF - Atualmente 40 fêmeas e 5 galadores, dessas fêmeas muitas não foram colocados ninhos pra criar, as que criaram não foram exploradas devidamente por falta de anéis para os filhotes. Para a temporada que vem pretendo diminuir os trabalhos para criar com no máximo 15 fêmeas.


CC&T - Geneticamente falando, qual a base da raça com que trabalha ?

EF– Meus curiós tem herança genética dos nativos daqui da região Mr. Mancha, Calado, e as fêmeas: Parda, Paloma, Juma... não são curiós conhecidos, mas, foram os importantes para a minha humilde criação quando iniciei desinformado e sem conhecer outros criadores, por volta de 1986, descobrindo da forma mais difícil, mais errando que acertando com curiós sem expressão adquiridos de mantenedores da região, eram colocados em gaiolas de criação como fossem canários, criava pouco e morria muito, então, passei a adquirir uns pardos que conseguia por aqui, e os colocava pra ouvir uma fita do Praia Grande, em outubro de 89 um deles que foi adquirido no mês de fevereiro originário do Rio Maracaí na cidade de Iguatemi-Ms (pego pelo Silvio daquela cidade ) que o Genésio de MN que me repassou, esse abriu canto com mais de 2 minutos de repetições logo nas primeiras cantadas, a partir daí segurei apenas as 3 fêmeas citadas.


Em 1991 o anilhei com anel aberto fornecido pelo Ibama e dei o nome de Mister Mancha. Na passagem de 1990 para 1991 veio em casa o então garoto (15 anos), J. C. Calado com um curió preto para eu cuidar enquanto viajava. Notei que ele repetira tanto quanto ao meu, claro, não deixei mais sair. Na temporada de 1997/98 de um cruzamento planejado do “Mr Mancha” com a filha/neta do “Calado”, ( cruza que teria 87,5 % de sangue de repetição) que no meu pensamento se fosse macho tinha que vir com repetição, o que confirmou e foi além, cantando clássico, era o “Guga” com a mesma repetição do pai e do avô/bisavô. Depois desse surgiram o “Mimado”, o “Mundo Novo”, o “Guguinha”, e outros que a exemplo desses não deixaram vídeos gravados, os demais pode ser vistos e ouvido nesse endereço do youtube: http://www.youtube.com/results?search_query=efaxina2&search_type=&aq=f


Desculpem-me descrever com os detalhes acima, mas foi com o propósito de mostrar que tudo não acontece ao acaso, temos que acreditar e ter paciência que o tempo se encarrega fazer o resto.


Ultimamente temos procurado introduzir algo de fora, até por necessidade de um choque de sangue, mas é difícil porque não dá ânimo usar galador só pela árvore que carrega, ele tem que demonstrar sua performance no “pau da goiabeira”.


Atualmente cruzo também com o “Fineto” (apesar de encher poucos ovos) que tem como ancestrais o Dólar, Sereno e Dominique.
http://www.youtube.com/user/efaxina2#p/f/1/t-yo0vQXmNo


CC&T - A sua criação é voltada exclusivamente ou não para curiós Praia Grande Clássico ?

EF – Sim, mas de algumas fêmeas há destaques em fibras.


CC&T - Conte para nós como se dá o seu trabalho de vetorização de canto, englobando a questão de CD, ambiente, falante e o manejo propriamente dito ?

EF – AMBIENTE: Para minimizar a influências da “baderna” do criadouro, como “pialadas” de guerra, alarmes, cantorias etc, tenho dado preferência para as fêmeas calmas, para isso tem se revelado bem as fêmeas de criação manual ou no bico, contrariando as informações tidas até então, de que essas fêmeas precisavam da experiência das mães para criar, vimos que o instinto natural fala mais alto.


Na seleção dessas fêmeas, deixo a modéstia de lado para dizer que prefiro as “pratas da casa”, as quais sejam mães, irmãs ou filhas de curiós que tiveram bom desempenho no canto clássico, a exemplo dos citados acima.


CD: Utilizei o CD selo ouro editado, hoje uso o Prata, o mesmo é usado para as fêmeas que se abrem para a choca sem ouvir o canto do galador.


OS FILHOTES: ocupam espaços especiais obedecendo critério de canto, eles ficam mais próximos onde se consegue observar o seu canto diariamente, cuidando do que sai estourando para não influenciar os demais e dos bons marcando notas para não se “contaminar”.


MESTRE: Não uso mestre por convicção que os filhotes aprendam mais suas “firulas” que o próprio canto.


APARELHOS: Possuo diversos aparelhos eletrônicos, mas todos tem dado problemas o de mais durabilidade aqui é o antigo 3 em1 da FM-ELETRÔNICA que está com mais de 6 anos de funcionamento.


FALANTES: Ah! não afirmo ser o correto mas, estes formam uma “salada mista” aqui, tem da grataner, lesson, e os twiters da selenium,. Rodstar , B.Buster , e alguns outros falantes chinfrim, às vezes costumo fazer um ambiente sonoro que não marque a direção de onde vem o som


CC&T - O desmame vc costuma realizar com que idade do filhote ?

EF - O Desmame é feito quando os filhotes estão se alimentando sozinhos. Por volta dos 30 dias.


CC&T - Quando normalmente vc começa e para de criar a cada temporada ?

EF – normalmente de setembro a dezembro.


CC&T - Nos diga algumas de suas principais fêmeas e galadores, bem como se possível as suas ascendências ?

EF – Galadores atuais:


- “ASTERIX 2 "= Asterix XKamila
- “FININHO”= (Sinatrinha X Paty) Sinatrinha tem sangue de Dominique e Soberano
- “MM 2 ” = = Mr Mancha X Prima
- "DEDINHO" = MM2 X Paty
- “FINETO” Descendo do Dólar à Seremo à dominique

Das fêmeas destacam-se:


- Paty (Mr Juma x Ca Mimada) e filhas e netas,
- Prima = (MMXCamila) e suas filhas
- *(Camila Filha do Calado e Kamila filha do Kajate)


CC&T - Tem algum curió da sua criação que já tenha sido revelação ? Em caso positivo cite para nós o seu nome, genética e eventual conquista ?

EF – Curió Guga em Ribeirão Preto 2004, “Guga”, “Mundo Novo” e “Pára-quedista” e um pardo em PCG e “Mr Mancha” “Calado” e “Kajate” em peito de aço no paranaense, “Faxinal” no sul brasileiro com um 1º Lugar PGC S/R.


CC&T - Como criador regularmente cadastrado no IBAMA, seja amadorista ou comercial, mas preservacionista por excelência, vc tem enfrentado algum tipo de problema no relacionamento com a Autarquia ?

EF – Não, porque como cidadão, professor e advogado procuro respeitar as normas do Órgão Público, mas convenhamos, hoje é difícil ser criador de pássaros no Brasil a operacionalização do Sispass não foi feita pra cidadão comum acostumado a cuidar de gaiolas, a burocratização nesse meio é coisa que veio para colocar o cidadão bem intencionado involuntariamente na clandestinidade. É um sistema para desestabilizar a pequena criação e por conseqüente atrapalhar a vida de muita gente que de repente se vê marginal porque são soube operar o sistema ou não tem um computador na mão para fazer os registros obrigatórios no sistema a cada transação realizada.


CC&T - O que pode sugerir para aqueles que estão começando ou pretendendo começar a criar curiós ?

EF – Conhecimento, persistência, paciência, procure informar com uma pessoa amiga sobre os procedimentos da criação, doenças etc..mas especialmente conhecer do meio, obter informações sobre onde vai adquirir seus primeiros pássaros, entrar de cabeça leva nocaute no primeiro round.


CC&T - Quais são as suas últimas palavras que gostaria de dizer para os nossos leitores ?

EF – Primeiramente abasta-se com os pássaros que possuem as qualidades que buscas (canto ou fibra).


Acredite, conheça bem o que tens em mãos, muitas vezes o de casa é superior ao que você pretende pegar no vizinho;


Fale de experiências realizadas de fato, anuncie os resultados positivos sem modéstia, mas com convicção, não pelo gostaria que fosse;


Não repasse informações do que não viveu. nem comente de raças ou de pessoas que só ouviu falar, isso pode induzir a erros e prejuízos ;


Ao apreciar um pássaro procure ficar imune aos comentários, tipo tava repetindo até agora, tá na muda, agora vai, tem um irmão que passa de 100 samaritás, porque no meio tem quem cante mais que o seu pássaro;


Respeite os espaços das estacas nos torneios, um pássaro cantando nas imediações pode por a perder um longa viagem do colega. Não se incomode se seu pássaro não cantou ou não teve um julgamento justo, prepare-o melhor que noutro ele vai cantar, salvo, como no PR em alguns dos torneios, onde o juiz julga o seu próprio pássaro, os resultados estão a cada dia mais coerente, porque hoje os que apreciam uma estaca têm o abc do canto PGC na cabeça e os juízes sabem disso.


Agradeço ao dono do blog pelo empenho ao nosso segmento. Que Deus lhe de forças para continuar.


A todos obrigado por suportar tamanha leitura, mesmo se você pulou uma parte, (como faço quando fica embaçado com a pessoa falando muito de si) ...


Concluo dizendo que “a busca do melhor faz do hobby o seu grande atrativo, e essa ilusão é que me motiva a continuar

Forte abraço a todos,

Eurídio Faxina (67) 3474 1616



skipe euridio.faxina

2 comentários:

  1. Kadu Barra da Tijuca29 de abril de 2011 17:19

    lendo a entrevista do amigo faxina,só tenho a elogiar esse cara,muito honesto,educado e gente fina de mais,Faxina agradeço de mais,Pelos conselhos que tem me dado amigo,tem me ajudado muito na minha criação,e parabenizar ao Pêcego por esse trabalho que vem desenvolvendo, divulgando e fortalecendo todos os amigos do curió,Kadu Criadouro Barra da Tijuca.

    ResponderExcluir
  2. bom!
    gostei de seu depoimento inteligente e sincero.
    eu estou começãndo agora,a criação de curio,com cadastro no ibama e c possível quem sabe algum dia venho a adquirir um ou dois filhotes de sua criação
    pois hoje como vi ta super fácil encontrar ótimos curios com suas genéticas melhoradas.
    obrigado pela sinceridade onde pouco podemos encontrar...como o sr disse o curioseiro é quem as vezes canta + !

    ResponderExcluir